Simone Scarchof

Eletropaulo reduz emissões de CO2 e adota “Transformadores Verdes”

Na Semana do Meio Ambiente, a distribuidora faz um balanço dos principais investimentos em gestão ambiental

​​Uma das empresas signatárias do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), a Eletropaulo tem a sustentabilidade como um dos seus principais vetores de crescimento e presta especial atenção ao meio ambiente. Uma evidência disso é o já consolidado Sistema de Gestão Ambiental da companhia, que é certificado pela ISO 14.001:2015 em 100% dos seus processos.

Dentre as importantes iniciativas relacionadas à Mudanças Climáticas, a empresa realiza anualmente o inventário de gases de efeito estufa.   Em 2017, a distribuidora diminuiu as suas emissões diretas - aquelas cujas fontes são de propriedade ou controle da empresa - em 52% em relação ao ano anterior, o que totaliza 10.979 toneladas de CO2 equivalente. Isso ocorreu devido à menor supressão de vegetação no período.

Ainda, conseguiu sequestrar 860 toneladas de CO2 em atividades de restauração ambiental, por meio do plantio e monitoramento de mudas, que são realizados para compensar supressões de vegetação - sempre autorizadas pelos órgãos competentes- em função de novas obras, ampliação e manutenção do sistema de distribuição, assim como diversas ações de melhoria do fornecimento de energia elétrica na área de concessão.

No ano passado, a Eletropaulo aplicou mais de R$ 2,8 milhões no plantio de cerca de 70 mil mudas em áreas rurais e de 1.400 em zonas urbanas, priorizando os locais abrangidos pelo Programa Nascentes. Uma iniciativa do governo estadual, esse programa tem a meta de proteger seis mil quilômetros de cursos d’água e restaurar cerca de 20 mil hectares de matas ciliares. Com esse foco, as atividades de cumprimento das condicionantes ambientais geram impacto positivo na prevenção a cenários de escassez hídrica, alinhadas aos desafios ambientais da região de concessão.

A empresa também reutiliza e recicla os resíduos sólidos gerados nas obras de expansão ou adequação da rede. Em 2017, recuperou 71% deles, superando a meta de 70% estabelecida para o período. As principais medidas que contribuem para o índice são o reaproveitamento de concreto e de materiais ferrosos e não ferrosos, o que reduz a destinação de materiais para aterros sanitários.

Vale mencionar ainda que, como parte da estratégia de sustentabilidade, a distribuidora tem incorporado os Objetivos de Desenvolvimento Sustável (ODS) da ONU em suas atividades e decisões diárias. Entre suas ações nesse sentido, a Eletropaulo fez uma correlação entre as metas dos contratos de gestão dos líderes e os ODSs, explicitando assim o compromisso com o tema, que impacta inclusive na remuneração dos executivos.

Trituradores

A Eletropaulo também está investindo R$ 9,6 milhões na aquisição de 28 veículos trituradores para reciclar os resíduos de podas de árvores, como galhos e folhas. Treze deles já foram incorporados à frota e outros 15 equipamentos chegarão no segundo semestre. Em operação, cada triturador evita 27 viagens dos veículos convencionais, já que tem capacidade de carregar um volume muito maior de materiais. Dessa forma, contribui com a redução de gases de efeito estufa e a mobilidade urbana.

Após a tritura, a Eletropaulo doa o material para parceiros como o Zoológico de São Paulo, que transforma esse material em composto orgânico e envia para a sua fazenda em Araçoiaba da Serra (SP), onde é usado como adubo na produção de hortaliças, forrageiras e outros alimentos para os animais. Outra parte do material triturado é utilizada como substrato dos recintos abertos no Setor de Répteis, tais como jabutis, tartarugas e jacarés.

 

Óleo Vegetal

Outro projeto importante para a gestão ambiental é a adoção do óleo vegetal em substituição ao mineral em transformadores da subtransmissão e distribuição. Usado como fluido isolante e de refrigeração, o óleo ecológico está em 1.597 transformadores de distribuição aérea. Já presente também nos equipamentos da Subestação no bairro do Jaçanã, inaugurada na capital paulista em 2017, esse tipo de substância será utilizada em todas as novas subestações a serem construídas.

Para os próximos 12 meses, a expectativa é efetuar a compra de, aproximadamente, 5.700 transformadores verdes aéreos e 500 subterrâneos.

Com características biodegradáveis e proveniente de fontes renováveis, esse fluido é seguro para o manuseio e não apresenta riscos de toxidade para o solo e a água, pois sua alta viscosidade evita que haja infiltração nos terrenos.

Um transformador que utiliza esse óleo vegetal também traz maior segurança, pois o fluido possui um alto ponto de combustão, minimizando assim os riscos de incêndios e explosões, além de permitir uma maior vida útil do equipamento.